Home»Dentro do Mochilão»Como foi a minha experiência vivendo com xamãs no Equador

Como foi a minha experiência vivendo com xamãs no Equador

0
COMPARTILHAMENTO
Pinterest Google+

A palavra xamã tem sua raiz na Sibéria, originária da palavra saman, que aparece também no sânscrito como sramana, que significa: inspirado pelos espíritos.

O termo xamã foi adotado pela antropologia para se referir às pessoas, de uma grande variedade de culturas não ocidentais, antes conhecidas como: bruxo, feiticeiro, curandeiro, mago, mágico, vidente, sacerdote, pajé, homem da medicina, o terapeuta, o conselheiro, o contador de estórias, o líder espiritual e outros.

Ser um xamã é abraçar um sacerdócio. Não é um trabalho somente terapêutico, é uma caridade. É assumir uma responsabilidade com o Universo de viver em harmonia com a natureza, de ajudar o próximo, transformar o ambiente em que vive e ser aparelho de transformação para as pessoas que dele se aproximam.

O xamanismo não vê todas as coisas como objetos fixos, como geralmente nossas convicções ocidentais sugerem, mas sim, como padrões de energia correntes, que estão constantemente fundindo, trocando e vagueando separadamente em uma dança infinita.

O xamã é reconhecido como uma pessoa que troca energia com todas as coisas, vivendo em mudança constante. Ser um xamã é uma responsabilidade, para curar e ensinar os outros a viverem em paz com todas as coisas.

Um amigo em Montañita, me recomendou conhecer uma velha xamã no norte do Equador, e lá fui eu atrás da anciã curandeira e parteira.

Ela vive com o marido, também xamã, e os filhos em um espaço muito humilde, no pequeno povoado de San Luis de Agualongo, que fica a uma hora de Otavalo. A pequena vila é cercada por montanhas e vulcões, trazendo ao local um ar de mistério das brumas que os cercam.

Atualização (março/2016): Sr. José, marido de Maria Joana, faleceu em 2014.

A casa onde morei

Apesar de grande, era muito simples. Dois andares, sem nenhuma decoração e nada de eletrodomésticos. Os cômodos são grandes, mas praticamente sem móveis. Na cozinha não havia geladeira e nem pia. O item de maior quantidade são bancos largos de madeira, espalhados por toda casa.

E o banheiro? Do lado de fora da casa. Sem portas, sem chuveiro, sem pia. Apenas um vaso. A água ficava armazenada em um balde grande do lado de fora e quem quisesse tomar banho a única opção era no caneco, à temperatura de à 8°C. Melhor não.

O ritual de limpeza que participei

Saímos ainda sem sol para colher as especiarias: plantas e flores que seriam usadas para limpeza. Na sala onde havia o altar, eu esperei. De um lado, Maria Joana. Do outro, seu marido José. Nomes escolhidos por eles mesmos para facilitar para o visitante, mas eles também tinham seus nomes indígenas, que os conectavam com a sua ancestralidade.

Velas, cravos vermelhos e vários outros tipos de plantas estavam no chão, ao lado dos meus pés. O cheiro forte de álcool encheu o ar da sua casa. O álcool é usado nas cerimônias de cura, junto com plantas medicinais, ovos e tabacos. José começou com os cânticos que intercalavam com invocações xamânicas ancestrais.

Desarmada de qualquer tipo de pré-conceito, me entreguei ao novo, respeitando cada gesto, cada palavra, cada passo desses xamãs.

Pratica de medicina indígena é permitida por lei em Otavalo no Equador

A nova constituição equatoriana, em vigor desde 2008, permite a prática alternativa de medicina dos povos indígenas. E por isso, os xamãs ou curandeiros, como quiser chamar, são tão respeitados e buscados na região. O conhecimento é passado de geração em geração. Vem gente de toda parte do mundo receber as bençãos desses ancestrais da terra.

Os xamãs, são maioria homens, mas também há mulheres.

Falam com intimidade de Pachamama e expressam seu respeito como fonte que nutre e nos sustenta: a Terra.

Assim é a rotina: curando, reverenciando e respeitando cada ser vivo!

Os xamãs estão por toda parte em Otavalo e nas proximidades. O ideal é chegar até algum deles por indicação de amigos ou conhecidos. Como todo lugar, sempre têm aqueles espertinhos querendo ganhar dinheiro em cima da fé alheia. Não se deixe enganar por falsos curandeiros! Os curandeiros “verdadeiros” também cobram para esses trabalhos de cura, mas o valor é simbólico e muitas vezes negociável. Apesar de diferente dos moldes convencionais, é o trabalho deles. A maioria sustenta suas famílias com os tratamentos de cura física e espiritual. E como dizem, são os  enfermeiros da Terra.

Atenção! Santo Daime e Ayahuasca não têm nenhuma ligação direta com ritos e celebrações do xamanismo. As bebidas estão ligadas à terra e à floresta, mas são doutrinas, religiões e segmentos totalmente diferentes do xamanismo.

Post anterior

Equador: 2 atrativos imperdíveis para conhecer em Latacunga

Próximo post

Ideias multiuso para usar cangas e lenços durante a viagem

10 Comentários

  1. Graciela
    09/03/2016 at 19:50 — Responder

    Oi, Cris, estive em Otavalo com Maria Juana e Raul (filho mais novo). O Sr. José faleceu. Agradeço muito teu texto porque estava com muita dor nas pernas e estou ótima. consegui chegar apesar de não ter o endereço!!! Estou pensando em retornar ou trazer eles para cá. Se te interessa me avisa. Obrigada!!!!!!!!!!!!!!!!!Graciela

    • 25/03/2016 at 12:39 — Responder

      Olá Graciela, que bons ventos lhe trouxe até aqui para trazer notícias de Maria Juana e sua família, estive pensando neles esses dias… Sinto muito por Sr. José ele era um querido. =( Fico feliz em saber que você conseguiu chegar sem endereço, é sempre assim. hehe

      Se eles forem vir pra cá, me avise por gentileza!

      Grande abraço! ♡

      • Graciela
        02/05/2016 at 18:44 — Responder

        Olá, Cris,
        eles virão a Porto Alegre no inicio de junho. Há muitas pessoas interessadas em ser atendidas por eles, porque sabem como eu estava de saúde e como estou agora.
        Se tiveres acesso ao meu email, podes fazer contato dessa forma e te dou mais informações.
        Abraço e obrigada!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
        Graciela

        • 06/05/2016 at 12:59 — Responder

          Que lindeza, pena que em junho já tenho compromisso e não poderei viajar. Mas quero saber sobre esse evento e se quiser, posso divulgar na minha página. Pode mandar para contato@dentrodomochilao.com

  2. Andreza
    29/06/2015 at 21:45 — Responder

    Oi Cris,
    eu vou pra Otavalo em julho e quero muito receber uma purificação. Você pode passar mais referências desse que você fez? (você precisou dormir lá, endereço, $ etc.) Obrigada!

    • 30/06/2015 at 11:26 — Responder

      Olá Andreza, eu fiquei hospedada na casa dos xamãs por 10 dias. Não lembro quanto paguei, mas foi muito pq não tinha dinheiro e como troca os ajudava nos afazeres da casa e na lavoura. Infelizmente não fui autorizada passar o contato deles… Eles me disseram que os que chegam até lá tem que ser de forma natural. =( Mas ela chama Maria Joana e é uma curandeira muito conhecida na região. =)

  3. 09/06/2014 at 22:58 — Responder

    agora entendo mais porque o Gustavo também viveu uma muita viagem com os xamas… =)

    http://muitaviagem.com.br/ayahuasca-xama-amazonia/

    • 10/06/2014 at 1:02 — Responder

      Olá Dan, minha experiência não foi tão profunda como a do Gustavo, meu trabalho espiritual foi beeem mais leve… hehehe Que bom deixar o link aí, muitos leitores perguntam sobre experiências com ayahuasca no Equador. Agora já tenho como indicar. 😉
      Grande abraço!

  4. 19/02/2014 at 14:16 — Responder

    Oi Cris,

    Imagino que tenha sido uma experiência fascinante. Acredito que o ser humano precisa urgentemente voltar-se às suas origens, buscar o simples, a inspiração pura e clara da natureza. Enfim, reaprender a viver em harmonia e olhar para o tempo que passa. Despir-se da materialidade apenas como ostentação e agregar aos seus parcos conhecimentos a experiencia vinda dos semelhantes.

    Beijos e vê se aparece no Tocantins de novo.

    Cid

    • 22/02/2014 at 17:13 — Responder

      Belas palavras Cid. Precisamos curar aquilo que nos distanciam cada vez mais de nossas origens. Valorizar e respeitar a tradição é um dos caminhos para resgatar essa essência sagrada. Enquanto eu caminhar por esse mundão afora, buscarei o contato com o tempo de outrora, em perfeita harmonia com o agora. Assim, vou ressignificando minhas viagens e compartilhando um pouco do que vivo com vocês.

      Beijo grande!

Responder para

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *