0
COMPARTILHAMENTO
Pinterest Google+

Ao viajar é preciso estar consciente, também, da sua responsabilidade social como turista. Sabendo que você optou em conhecer uma cultura diferente não tente interferir ou mudar as crenças, valores e costumes do local. Respeite, integre-se e aproveite para absorver de forma criativa e produtiva esse novo contato com costumes, que muitas das vezes, são tão distintos da sua realidade.

Respeitar o cotidiano das comunidades é o primeiro passo para conhecer verdadeiramente o ambiente do qual você se predispôs a visitar. Faça da sua viagem uma prazerosa experiência de troca onde todos saem ganhando!

Como posso começar a me tornar um turista solidário?

Não precisa participar de grande ações, um simples hábito de comprar um produto local contribui para a economia sustentável. Explico. Crie o habito de fomentar o desenvolvimento econômico daqueles que vivem no local, comprando diretamente com os artesãos. Esqueça os shoppings e as grandes lojas. A oportunidade de adquirir algum produto diretamente com quem o fez, resulta em um souvenir único, cheio de histórias e com o preço justo.

Outra maneira, é participar diretamente do processo de desenvolvimento cultural contribuindo com seus conhecimentos em forma de ação (independente da sua área). Esse tipo de intervenção pode ser através de um trabalho voluntário, doações de livros, roupas, brinquedos… Caso queira ir além, pode se dispor a ser voluntário com atendimentos de saúde (para viajantes que atuam na área), dar palestras e até mesmo oferecer pequenos cursos. Acredite, você pode fazer tudo isso — e muito mais, enquanto viaja.

Para facilitar, vamos simular algumas situações:

  1. Você e mais alguns amigos saem para viajar de carro para uma pequena vila no interior. Esse lugar é uma comunidade com baixos índices de desenvolvimento social e econômico, mas que guardam na região belezas naturais que os atraem até lá. Uma solução prática é deixar um espaço no porta malas e levar livros para doar a uma escola ou biblioteca. Uma atitude simples, que necessita de apenas uma pequena pausa no roteiro para realizar a ação.
    .
  2. Nas grandes cidades os postos de saúde liberam gratuitamente caixas de camisinha para doação, por exemplo. Procure um posto mais próximo, explique o motivo do pedido e pronto! Leve na bagagem e doe para o posto de saúde do local. Quanto menos, maior serão as necessidades. Se não tiver um posto, procure pelo agente comunitário de saúde.
    .
  3. Ofereça pequenos cursos sobre reciclagem, consciência ambiental, sustentabilidade, permacultura, etc.
    .
  4. É dos esportes? Busque por instituições que trabalhe com crianças e/ou adultos e ofereça palestras esportivas, jogos, etc.
    .
  5. Ensine dança, a música, desenho…

Para descobrir as necessidades de cada lugar você só precisa de vontade. Vontade para procurar informações e realizar! Por maior que seja o lugar, sempre é possível a interação social. Não existem ações pequenas ou grandes. Qualquer que seja seu ato solidário, pense que ele poderá contribuir muito para quem não tem quase nada.

Volunturismo
Ensinando tecido acrobático para crianças em Caraíva/BA

Turismo solidário em Minas Gerais

Em 2008 nasceu um projeto (maravilhoso!!! ♥) que abrange várias regiões do norte de Minas. O projeto Programa Turismo Solidário, foi criado a fim de convidar o turista a participar diretamente dos processos de desenvolvimento da região, interagindo com a hospitalidade mineira, vivenciando seus fazeres, cultura, sabores e saberes.
O programa tem parceria com várias cidades mineiras, e atualmente atuam em 11 cidades da região do Vale do Jequitinhonha. Pelo site, também pode se informar dos atrativos turísticos, eventos, projetos solidários e as ações que poderá contribuir além do Programa.

Um exemplo de como esse projeto funciona: Você quer viajar para Cachoeira do Norte, lá no norte de Minas. Aí, resolve ser um agente de transformação social durante sua permanência no local. Vai no site: www.turismosolidario.com.br e pesquisa se há disponibilidade de hospedagem nas casas das famílias que fazem parte do programa. Você pode escolher a casa e a família por descrições que aparecem no site.

Descrição da família da Neuza, em Alecrim.
Descrição da família da Neuza, em Alecrim.

Turista convencional que se esgota na lembrança orgulhosa de um sonho realizado ou no mero prazer de trazer de volta souvenirs e algumas fotos, como verdadeiros troféus que apenas “coisificam” a identidade cultural das comunidades, convertendo sua autenticidade em um simples espetáculo pitoresco.” Turismo Solidário

O exemplo do Programa do Turismo Solidário é uma ação que pode ser levada para qualquer lugar. Saia da zona de conforto que o turismo de massa propõe, e tente vivenciar novas experiências durante sua viagem. Permita-se!

turismo solidario
Meu irmão com um jangadeiro em Canoa Quebrada.

Hospedagem solidária

Outra maneira de compartilhar novas percepções do lugar é ficar hospedo na casa das famílias residentes locais. Programas como couchsurfing oferecem a possibilidade de conviver com pessoas que abrem suas casas e seus corações a fim de garantir uma boa estadia ao visitante, em troca de partilhar com o outro seu cotidiano. Assim, você tem a chance de conhecer seus hábitos e adquirir conhecimentos a partir dessa troca de gentilezas.

Esse tipo de projeto propõe partilhar vivências com o destino e seus moradores. E assim, desenvolver a construção coletiva para um turismo mais humanizado.

.

Para entender mais sobre o assunto, leia outros artigos:

Post anterior

5 curiosidades sobre a mística da cidade de San Agustín, Colômbia

Próximo post

Viajantes e artistas: a arte de fazer espetáculos durante a viagem

No Comment

Responder para

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *