1
COMPARTILHAMENTO
Pinterest Google+

A pequena vila de São Jorge, localizada a 36 km de Alto Paraíso, se transforma todos os anos no mês de julho em um grande palco a céu aberto para receber um dos maiores festivais de culturas tradicionais do cerrado. O Encontro de Culturas acontece anualmente desde 2001 e atrai cerca de 30 mil visitantes durante todo evento. Uma das belezas desse festival é que ele reúne crenças e costumes dos povos tradicionais  do Brasil, em uma oportunidade única de conhecer e vivenciar a essência de tradições mantidas até hoje por várias comunidades.

Meu primeiro contato com o Encontro de Culturas foi em 2006 e já participei de algumas outras edições. Além da festividade que dura semanas, o encontro preza pela vivência por meio de diálogos com rodas de prosa, onde são abordados temas sobre preservação da cultura tradicional e as oficinas de saberes. Todas as atividades são gratuitas e abertas para o público. O ambiente é de imersão na cultura que valoriza comunidades tradicionais como quilombos, indígenas e moradores da região.

encontro-culturas

encontro-culturas-1

O que vai encontrar no Encontro de Culturas?

Rodas de Prosa e Oficinas

As rodas de prosa e oficinas são gratuitas e abertas para o público. As rodas são uma oportunidade para partilhar experiências com mestres da cultura tradicional e popular. Já as oficinas oferecerem ao visitante a possibilidade de entrar em contato com saberes de mestres por meio da música, dança e criação de instrumentos.

encontro-tradicionais
Foto: Marcello Casal Jr.

Encontro de Capoeira Angola 

Diversos mestres representantes da Capoeira de Angola, fortalecem os laços culturais afro-brasileiro em atividades diárias com rodas de capoeira e oficinas.

Aldeia Multiétnica

A Aldeia Multiétnica nasceu em 2007 em um espaço montando especialmente para o encontro de diversas comunidades indígenas. O visitante tem a oportunidade de estar em contato direto com os costumes, tradições, línguas, crenças, ritos e modos de vida de diversas etnias. No local já existem três casas tradicionais montadas por indígenas do povo Krahô, Kayapó e Xinguana. A Aldeia Multiétnica fica no caminho da Cachoeira do Raizama e é indicada por setas.

O acesso é das 8h  às 18h e é cobrada uma taxa de visitação. Para viver mais profundamente esse contato o visitante pode ficar acampado na aldeia pagando um valor diário. Leve dinheiro em espécie para comprar os artesanatos indígenas ou fazer os grafismos de jenipapo e/ou urucum.

chapada-veadeiros-encontro-cultura-13

chapada-veadeiros-encontro-cultura-10

chapada-veadeiros-encontro-culturas

chapada-veadeiros-encontro-cultura-12

chapada-veadeiros-encontro-cultura-9

chapada-veadeiros-encontro-cultura-8

chapada-veadeiros-encontro-cultura-7

chapada-veadeiros-encontro-cultura-6

cris-marques-dentro-mochilao-3

chapada-veadeiros-encontro-cultura-5

chapada-veadeiros-encontro-cultura-4

chapada-veadeiros-encontro-cultura-3

chapada-veadeiros-encontro-cultura-2

chapada-veadeiros-encontro-cultura-1

chapada-veadeiros-encontro-cultura-11

Como chegar em São Jorge

De ônibus

Saindo de Brasília da Rodoviária do Plano Piloto

Santo Antônio: diariamente às 11h (única linha)
Tel.: (61) 3234-3997

De ônibus até Alto Paraíso

Saindo de Brasília da Rodoviária Interestadual

Real Expresso: diariamente às 10h/21h
Tel.: (61) 2106-7100

Santo Antonio: diariamente às 07h/11h/15h
Tel.: (61) 3234-3997

chapada-encontro-culturas

Caronas

As caronas de Alto Paraíso e São Jorge são comuns entre viajantes. Esse tipo de locomoção incentiva o uso solidário do transporte e diminui a quantidade de carros na vila. A página Conexão Chapada – BSB é uma ótima ferramenta para tentar caronas de Brasília até a região. Outra página é a Central de Caronas, organizada pelo próprio evento. Vá de carona!

  • Distância de Alto Paraíso a São Jorge é de 36 km: asfaltada e com ciclovia;
  • A última opção para abastecer o carro antes de chegar em São Jorge é Alto Paraíso. 

Clima

Com o clima tipicamente seco do inverno no cerrado, os dias são quentes e as noites muito frias. Leve agasalho! Não esqueça também, de sempre hidratar o corpo com muita água, pois o nível de umidade é bastante baixo. Hidrante ou óleo para o corpo não é frescura nessa época de seca. Sério, é muito seco essa época.

Estrutura 

A vila de São Jorge é muito pequena, as ruas são de terra e a hospedagem mais econômica é o camping. Existem muitas opções de camping, com diferentes preços e estruturas. Recomendo o Espaço Taiuá.

Durante a festa, a cidade fica lotada, se for optar em ficar em pousadas o ideal é reservar o quanto antes. Mas atenção: muitas pousadas já estão lotadas, e as poucas vagas que restam estão com preços altíssimos. Por isso pesquise bem antes de reservar.

São Jorge tem pequenos mercados, farmácia e opções de restaurante. Bancos (Brasil, Itaú, Caixa e Bradesco), posto de combustível e hospital você encontra somente em Alto Paraíso, a 36 km.

Super dicas

  • Aproveite as belezas naturais da região e não deixe de conhecer as cachoeiras. O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros fica apenas a 1km de São Jorge.
    .
  • Na estrada caminho de São Jorge, aos pés do Morro da Baleia, não deixe de parar no bar do Seu Valdomiro. Ele é conhecido por suas bebidas e geléias com frutos e plantas da região, e o famoso prato típico do cerrado: a mulata.
    .
  • Julho é a época de floração de diversas espécies de flores do cerrado, a Caliandra e as Sempre-Vivas são facilmente encontradas pelas trilhas.
    .
  • Aproveite o final de tarde para apreciar o espetáculo de cores do pôr do sol no cerrado.

chapada-veadeiros-4

chapada-veadeiros
chapada-veadeiros-6
chapada-veadeiros-5
 
XVII Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros

De 15 a 21 de julho, a Aldeia Multiétnica, primeira etapa do Encontro de Culturas, reúne povos indígenas de todo o Brasil para apresentações culturais e trocas multiétnicas, evidenciando suas culturas, celebrando o encontro dos povos e o fortalecimento de suas raízes.
De 22 a 30 de julho, representantes da cultura popular tomam as ruas e os palcos da vila de São Jorge. Entre os dias 22 e 24, a comunidade do Sítio Histórico Kalunga assume o comando das festividades com o IV Encontro Quilombola da região da Chapada dos Veadeiros e apresenta fragmentos da Festa do Divino Espírito Santo, importante festejo religioso da comunidade, além de realizar discussões referentes à saúde, educação, cultura e sustentabilidade do povo Kalunga.
Post anterior

Santuário do Caraça, um refúgio de paz nas montanhas de Minas Gerais

Próximo post

Voluntariado na Bolívia: Comunidad Inti Wara Yassi

25 Comentários

  1. Renatha
    16/05/2017 at 22:44 — Responder

    Boa noite Cris, adorei suas dicas, muito valiosas. Pretendo ir com meus filhos de 8 e 12 anos em 19.07, no meio do evento. quero aproveitar o encontro e as cachoeiras. Vc acha que fica tranquilo fazer as trilhas? ou ficam muito lotadas?
    Grata,
    Renatha

    • 11/06/2017 at 18:53 — Responder

      Olá Renatha, fica mais cheio que em épocas de baixa temporada. Mas sempre vale a pena, pois elas são lindas! ❤

  2. 04/07/2016 at 13:00 — Responder

    Olá Cris, confesso que nunca tinha ouvido falar neste encontro de culturas, mas é mais um motivo para colocar em marcha o meu plano de viagens para conhecer algumas “chapadas” brasileiras. Obrigado pela partilha, valeu!!! Grande braço desde Portugal.

    • 10/07/2016 at 16:07 — Responder

      Oi Filipe, esse encontro é maravilhoso!!! Na verdade, a toda Chapada dos Veadeiros é incrível, super recomendo.

      Grande abraço, desde as terras de cá.

  3. Jorge Ferreira
    29/06/2016 at 18:55 — Responder

    Boa noite Cris, vamos a Chapada na primeira semana de outubro, podemos visitar a aldeia?

    • 10/07/2016 at 16:13 — Responder

      Olá Jorge, a aldeia é organizada pelo Encontro de Culturas e só existe durante os dias do festival.

  4. Raul
    30/06/2015 at 17:44 — Responder

    Cris, que bem que voce dá as informações. Valeu. Só mais uma pergunta. Nós podemos filmar? E ficando em camping é mais barato?

    • 30/06/2015 at 18:37 — Responder

      Olá Raul, acho que pode filmar sim, mas de toda forma se informe melhor com a produção do evento. 😉
      Camping é sempre a opção mais barata e os preços variam de R$10 a R$35/diária.

      Grande abraço!

      • Raul
        30/06/2015 at 19:41 — Responder

        Muito obrigado. Você é muito amavel. Uma boa noite e obrigado.

  5. luiz carlos Lagoz
    28/06/2015 at 19:37 — Responder

    realmente a Chapada tem demonstrado nas suas atitudes do linear das tradiçoes alternativas que esta ali um linguajar que posibilita a revigoraçao das conquistas da nova era pois o futuro se destila sem concorrencias,e o eterno que foi filtrado pelo tempo demonstra que ha sim pessoas que se propoem a densidade da evolução da Ordem do Universo, me da felicidade em meu coração ver que vale a pena ter Fé e convicção de que ser nobre esta acima de valores contidos na mediucridade das mentes capitalistas, elas sim que usufluem procurando estaca-las para beneficios proprios, enquanto os que defendem a Ordem do Un iverso, sempre serão principes e princesas de uma dinastia que sabe que ha uma perfeição do criador em benficio dos que podem sim ser considerados como guardiões do infinto tempo que palpita a cada segundo e se transforma como tudo que vemos a nossa frente Obrigado meus irmãos

  6. Bárbara
    26/06/2015 at 11:38 — Responder

    Oi, Cris, que ótimo! Tô aqui me encantando com a idéia de ir pra lá, mas sou de Salvador e não posso me ausentar da cidade por duas semanas. Você sabe qual das duas seria a melhor semana pra acampar lá? Abraço!

    • 26/06/2015 at 13:00 — Responder

      Olá Bárbara, todos os dias do festival são lindos! Como você não tem muito tempo te recomendaria ir no final da Aldeia Multiétnica (entre os dias 22) e início das programações culturais (começa dia 25). Assim você pega um pouco de cada…

      Grande abraço!

  7. Silvana Oliveira
    08/04/2015 at 1:38 — Responder

    Amei suas dicas… Eu pretendo ir em julho com as crianças. Você pode me indicar um lugar bacana? São crianças de 5 e 7 anos. E talvez eu vá de ônibus. Será que na região eu consigo alugar um carro. E caso resolva ficar em uma tribo as crianças se adaptariam? rsrsrs
    Desculpe tantas dúvidas, mas você foi a única que encontrei que deu detalhes com tanta riqueza. E você pode me dizer também se a estadia junto com as oficinas ficam muito caro?rsrsrs
    Obrigado….

  8. Carol Trevelin
    11/02/2015 at 21:15 — Responder

    Que lindo!! Cris, que lugar é esse da última foto???
    bjos

    • 17/02/2015 at 11:25 — Responder

      Olá Carol, foi em uma das cachoeiras da trilha do Parque Nacional da Chapada. Muito lindo mesmo!

  9. Estela
    23/01/2015 at 21:56 — Responder

    Amei suas dicas!super esclarecedoras! estava mesmo querendo saber como funcionava o festival..que beleza!

  10. Pedro Henrique Caixeta
    10/09/2014 at 9:54 — Responder

    Cris adorei seu site. Muito boa as suas dicas. Queria muito poder sair de casa e viajar como você. Um dia me desapego de tudo e ponho o pé na estrada. Obrigado por compartilhar sua viagens com agente.

    • 12/09/2014 at 20:06 — Responder

      Olá Pedro,
      Que bom que gostou do blog! =) Fiquei à vontade para me acompanhar por aqui ou pelas estradas… quem sabe? hehe
      Grande abraço!

  11. ALLAN HENRIQUE CAMPOS
    11/07/2014 at 15:03 — Responder

    Quem deseja se hospedar na Vila de São Jorge terá dificuldades para encontrar vagas em pousadas, pois estão todas praticamente lotadas, mas alguns camping’s ainda tem vagas.
    Vale a pena ficar na Vila, pois todas as atrações acontecem lá e as principais e melhores cachoeiras também ficam lá.
    Não se esqueçam de levar protetor solar e blusa de frio !!!!!!

    • 14/07/2014 at 15:20 — Responder

      Allan, grata reforçar as dicas!!!! 😉
      Grande abraço,

  12. 10/07/2014 at 17:23 — Responder

    Tudo lindo! Cenário, pessoas, cultura. Tô cheia de vontade de ir.

Responder para

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *