0
COMPARTILHAMENTO
Pinterest Google+
O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros está localizado no estado do Goiás e atualmente é um dos parques nacionais mais visitados do Brasil. Em 2001 foi declarado como Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO e guarda uma das maiores reservas da biosfera do mundo. O parque abrange 240 mil hectares e o acesso da portaria fica localizado na Vila de São Jorge, a 36 km de Alto Paraíso. 
No parque é possível percorrer 4 trilhas: Trilha dos SaltosTrilha dos Cânions, Trilha da Seriema e Travessia das Sete Quedas, que já é considerada um dos trekkings mais bonitos do país.

Travessia das Sete Quedas

Pela extensão do percurso, com aproximadamente 23,5 km, essa é a única trilha do parque onde é permitido pernoitar. A travessia é uma ótima opção para quem quer ter um contato direto com a natureza, principalmente com o cerrado. As Setes Quedas estão localizadas no coração do Parque Nacional e a trilha passa por diferentes tipos de formação desse bioma: Veredas, Campo Limpo, Campo Sujo, Cerradão, Cerrado Denso, entre outros…
A imersão no cerrado é tamanha que para mim, o mais bonito dessa travessia é o caminho. Por ser uma trilha de acesso controlado, com limite de 30 visitantes por noite, o percurso é feito completamente em contato com natureza. Mesmo com a lotação máxima é muito difícil cruzar com outras pessoa, a não ser nos pontos de parada.

ÉPOCA

A Travessia das Setes Quedas é aberta apenas na estação de seca, de junho a outubro. Durante o período de chuvas a trilha fica fechada.

Distância e nível de dificuldade

São aproximadamente 23,5 km a serem percorridos, sendo 17 km no primeiro dia e 6 km no segundo. Pela classificação do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) o nível de dificuldade é considerado muito pesado. No entanto, achei o trekking moderado. No entanto, vale ressaltar que sou acostumada com grandes travessias e tenho bom condicionamento físico.

O caminho têm trilhas bem demarcadas e sinalizadas com setas laranjas, muito difícil de se perder. Porém, não recomendo pessoas com pouca experiência fazerem nenhum tipo de trilha e/ou travessias desacompanhadas.

Rota

A Travessia das Setes Quedas é dividida da seguinte forma:

DIA 1

São 17 km de caminhada, com duas paradas para refrescar e abastecer as garrafinhas. O início da trilha leva até a bifurcação do Cânion 2, e a partir dali você deve seguir para o Cânion 1, com indicação das setas laranjas. Serão 4km até as Fiandeiras, no Rio Preto, última parada de água. Após cruzar o rio, serão 8 km de cerrado descampado até a aérea de camping.

  • Atenção: Não siga até o Cânion 2, essa trilha exige bastante esforço no primeiro dia. Foque na travessia!
Na bifurcação siga as setas laranjas

DIA 2

O segundo dia é bem mais leve e você pode optar em ficar apenas curtindo a cachoeira e seguir a caminhada no terceiro dia, como eu fiz. Ou, aproveitar a cachoeira pela manhã e seguir a trilha no mesmo dia. O retorno é bem mais suave, com apenas 6 km de caminhada, com alguns desníveis maiores que no primeiro dia.

A trilha termina na Rodovia GO-239, na beira da estrada que fica a 12 km de São Jorge à direita e 24 km, à esquerda, para Alto Paraíso. 

  • Na saída, você pode contratar um transfer ou tentar uma carona, que é bem comum na região. Esse deslocamento é de responsabilidade do visitante.
clique para ampliar

Cartão de certificação 

Ao dar entrada no parque, você irá receber um cartão de identificação, que deverá ser deixado em uma caixa de correio localizada antes da saída.

Inscrição e pagamento

A Travessia das Setes Quedas só pode ser feita com reserva através do site: ecobooking.com. Para julho (alta temporada) recomendo reservar com até 1 mês de antecedência, levando em consideração que são apenas 30 pessoas por pernoite. Caso esteja lotada para a data desejada, existe uma lista de espera. Se for baixa temporada, a reserva pode ser feita com antecedência mínima de 3 dias.

  • O valor do camping é de R$18 por pessoa para cada noite.

Após realizar o pagamento e receber a confirmação, não esqueça de imprimir e apresentar o voucher o a Guia de Recolhimento da União (GRU) paga no dia da entrada. Embora tenha no site a informação que pode ser apresentado os comprovantes digitais, já vi alguns funcionários encrencarem e não deixar um grupo fazer a travessia sem os comprovantes impressos. Para não correr o risco, imprima!

  • Leia todas as orientações para fazer a reserva corretamente.

Horário de entrada

O horário de entrada no Parque é à partir das 7h até às 12h, apenas para os que irão fazer a Travessia das Setes Quedas, para as demais trilhas o horário é até às 10h. Recomendo começar a travessia no máximo até às 9h para fazer o percurso com calma, aproveitando as paradas para banho e ainda chegar no camping antes do entardecer.

  • O Parque funciona de terça-feira a domingo, exceto durante o mês de junho, datas festivas e feriados, quando a entrada é permitida também às segundas-feiras.

Acampamento

É permitido acampar apenas nas áreas demarcadas pelo ICMBio, sujeito à multa por crime ambiental caso acampe fora desse perímetro. Durante o mês de julho, voluntários do Parque monitoram a entrada e saída dos visitantes.

O acampamento é rústico e não oferece nenhuma estrutura. Lembre-se, você está dentro de um Parque Nacional e a proposta é o contato direto com a natureza! Se esse não é o seu perfil de viagem, opte em fazer as outras trilhas do parque.

Nossa casinha

Banheiro

Não tem, claro! Em julho desse ano, o banheiro seco que existia no acampamento foi queimado. Por isso, todas as suas necessidades fisiológicas serão feitas no mato. Ao chegar no acampamento vai ver uma placa indicando o banheiro seco (que não existe mais) com uma pá para você cavar um buraco e enterrar o seu cocô. Para evitar contaminação do solo, é muito importante que faça suas necessidades até 60 metros de distância de qualquer água (rio, nascente, cachoeira, lagoa…). O ideal para o meio ambiente é que você volte com o papel higiênico ou leve uma garrafinha para se lavar. Mas se a única solução, mais confortável para você, for usar o papel: o enterre também.

Fogueira

Não é permitido fazer fogueiras em hipótese alguma! A Travessia das Sete Quedas é feita somente na época de seca e o fogo se espalha facilmente pela vegetação. Qualquer faísca poderia causar um incêndio enorme.

  •  Item indispensável na mochila: fogareiro a gás para preparar a comida. ⠀

SEU Lixo

Não existem lixeiras na trilha, nem coleta dentro do Parque, porque né? Todo lixo produzido é de sua inteira responsabilidade. TODO! Seco ou orgânico. O que sobrou da comida e/ou casca de frutas são orgânicos? Sim. Mas imagina se todos deixassem esses restos nas trilhas e no acampamento? Quer ser responsável? Leve de volta e coloque o orgânico em uma composteira.

água

Todas as nascentes das cachoeiras e rios da Travessia das Sete Quedas estão dentro do Parque e são potáveis. Não deixe de encher a garrafinha nas paradas no rio. Atente-se sempre de pegar a água na parte corrente.

  • Dica para lavar a louça: Colete a água do rio e lave na margem. Não lave diretamente dentro do rio, pois além de evitar contaminação, ele é usado para tomar banho e beber a água.
  • Utilize sabonetes e outros produtos de higiene biodegradáveis, por amor!

Cachoeira das Sete Quedas

Comparada com as demais cachoeiras dentro do Parque, ela não tem a mesma imponência como a Cachoeira dos Saltos e Cariocas. Mas mesmo assim, as Setes Quedas são belíssimas e apesar das quedas serem pequenas, existem vários poções para banho. Pela dimensão do lugar – e pelo pouco acesso – dá para subir o rio e encontrar um cantinho para desfrutar o som das águas sem nenhuma interferência de outras pessoas. As quedas estão muito próximas do camping (cerca de 100 metros) e assim que chegar da caminhada será agraciado por elas.

GUIA

Não é obrigatório contratação de guia para fazer a Travessia das Setes Quedas. No entanto, se estiver desacompanhado ou tiver pouca experiência com trilhas/travessias, contrate um guia credenciado.

Mochila e equipamentos

Mochila ideal? Aquela que você vai conseguir carregar sem esforço. Gente, apesar de ser uma travessia que precisa levar todo o equipamento (barracas, fogareiro, comidas e etc), são apenas 2 dias. Não tem nenhuma necessidade de levar um mochilão gigante. Uma mochila de ataque, de no máximo 35 litros, será mais que suficiente. Ao escolher a mochila leve em consideração itens como barrigueira, regulagem peitoral e fitas de compressão (para levar barraca e saco de dormir). Fui com uma mochila foi de 30 litros e coube tudo que levei.

Essa bolsa quadrada embaixo é o drone
  • Fui com um amigo e revezávamos levando a mochila mais pesada, que estava com aproximadamente 10 kg (na ida) com a barraca e comidas. A mochila mais leve tinha apenas 5 kg e o peso diminuiu na volta pois não tínhamos mais comida.

Abaixo vou listar o que levei, para que possam ter uma referência. Sintam-se livres para levar o que for ideal para você:

  • Barraca;
  • Isolante térmico;
  • Saco de dormir;
  • Cobertor pequeno (em julho faz muito frio e resolvi levar, além do saco de dormir, um cobertor pequeno);
  • Fogareiro + 1 gás;
  • Lanterna de cabeça.

Roupas e calçados

Seguindo o pensamento que é uma travessia super curta, levei pouquíssima roupa, usei todas e foram suficientes:

  • Fiz toda a travessia com a mesma roupa: um short + camisa;
  • 2 biquinis;
  • 1 calça térmica (para dormir);
  • 1 blusa de frio;
  •  1 camisa extra para dormir (e se precisasse usaria para o trekking);
  • 1 bota de trekking;
  • 2 pares de meia;
  • 1 canga (que usei de toalha);
  • 1 chapéu.

Comida saudável 

Esqueçam esse negócio que comida de trilha tem que ser apenas enlatados e macarrão. Você pode comer bem, saudável e não carregar peso extra por isso. É só pensar no cardápio de cada dia e ser feliz com comidas frescas! No nosso caso, ainda levamos tudo orgânico. Veja o que comemos em cada dia e inspire-se!

Primeiro dia nosso almoço/lanche

  • pão de batata doce feito de fermentação (que além de ser mais natural, mantém a maciez por mais tempo)
  • 6 ovos cozidos (que cozinhamos antes de sair)
  • batata doce (também cozidos no dia)
  • queijo
  • tempero pronto

Café da manhã:

  • Mingau de aveia
  • Granola
  • Banana
  • Mix de castanhas e frutas secas
  • Rapadura ralada

Almoço:

A dica é levar uma cusuzeira: fizemos o arroz na parte inferior e verduras no vapor na parte de cima.

  • Arroz integral
  • Cebola + inhame + batata doce (parte de cima)
  • Cenoura
  • Beteraba

Snacks (lanches):

Sempre comíamos:

  • Fruta
  • Rapadura
  • Cenoura
  • Bananinha passa
Dica de energia: maça (orgânica) com rapadura

Separamos a comida e levamos o necessário para os dias da Travessia das Sete Quedas. Não voltamos com nenhuma (menos um peso) e comemos super bem todos os dias.

Dicas finais

  • Faça um checklist de tudo que precisa levar;
  • Celulares não pegam em grande parte do trajeto, aproveite para conectar com a natureza;
  • Não é permitido entrar no parque com bicicletas;
  • Você é a única pessoa que sabe dos limites do seu corpo, a travessia pode ser leve para uns e muito pesada para outros;
  • O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros não possui serviço de resgate;

Final da trilha com o Morro da Baleia sempre no horizonte

Assim que saímos conseguimos uma carona (no porta-malas). Só alegria!

Confira como foi nosso dia a dia na Travessia das 7 Quedas pelo stories (Instagram): clique aqui para assistir

Post anterior

Rota das Emoções: o que vai encontrar no Ceará?

Próximo post

This is the most recent story.

No Comment

Responder para

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *