Salamanca: um roteiro diferente para conhecer a cidade caminhando

2
1694

Salamanca é cheia de possibilidades, muita história, uma arquitetura medieval distinta, uma arquitetura moderna sofisticada, uma vida noturna quente e uma referência acadêmica mundialmente conhecida.

Localizada cerca de 1h30 de Madrid, na Espanha, a cidade é tão versátil que certamente você já ouviu falar sobre ela de um amigo que está voltando do doutorado, ou daquela amiga amante de vinhos; ou daqueles primos que passaram uma temporada fazendo um curso de imersão em língua espanhola, ou ainda daquele grupo de amigas mochileiras e descoladas que viajando pela Europa, que foram de barco de Salamanca à Porto em Portugal pelo Vale do Douro.

Não vamos pegar táxi pagando em euros, ok? Para começar, Salamanca possui trem rápido que liga Madrid – Salamanca/ Salamanca – Madrid em 90 minutos. Chegando à cidade Salmantina, coloque uns sapatos confortáveis para aguentar o Casco Histórico e passeie muito, pois a cidade de cor graciosamente diferente das outras cidades espanholas medievais, é cheia de surpresas.

Uma cidade tatuada pela história, literalmente. Cidade acadêmica por excelência tem em suas diversas faculdades, gravados nas paredes dos tais edifícios universitários nomes de ex-alunos ilustres ou não que desejam ficar para história, em cor de um vermelho sangue. Tem até nome de ex-presidente brasileiro…

Além da fama em ser a terceira Universidade do mundo – 800 anos de história acadêmica – possui a Plaza Mayor considerada por muitos, espanhóis e turistas, a mais bela de toda Espanha. Local de encontro para a agitada noite de festas desta cidade de eterno espirito universitário, que se reúne bajo el reloj de la Plaza Mayor .

Mas antes ou depois de salir de fiesta, um passeio no Casco Historico é super agradável. Não só são muitas as atrações arquitetônicas na cidade como possui certa leveza, talvez pela pedra calcária de Villamayor, boa de ser esculpida, boa para construção e principalmente, com uma cor meio alaranjada, meio salmão, que faz os finais de tarde nesse cenário medieval ser único. Aliás, a cor dessa pedra característica nas construções históricas e modernas, de baixo de sol, distingue Salamanca de outras cidades medievas como Toledo, por exemplo, bem mais escura e sisuda. Não a toa é palco de diversos filmes de época como Sombras de Goya de Milos Forman.

E nesse trajeto único, aproveite para conhecer as catedrais, sim no plural, pois são duas, uma velha e uma nova, juntas, coladas, uma na outra, a Puente Romana no rio Tormes, herança romana, a fachada histórica da Universidade de Salamanca, a Casa de Las Conchas, repleta de conchas-símbolo dos cavaleiros de Santiago, a Torre del Clavero, o Convento de Santa Clara, o Huerto de Calixto y Melibea e o Museu de Arte Nova e Arte Decó. Além de outras atrações claro!

Consegue ver a rã?

Mas o passeio pode ser emocionante, tipo gincana. Porque não basta só conhecer a Catedral, você tem que encontrar o astronauta nos afrescos da entrada norte. Na fachada histórica da Universidade, existe uma rã, sim uma rã talhada nos afrescos, como o astronauta, quem a encontra é sinal de que alcançará êxito nos objetivos levados à Salamanca. Uma dica, la rana está em cima de um crânio. Já no agradável jardim de Calixto y Melibeia, cenário de La Celestina do escritor Fernando de Rojas, sinta a presença desta velha alcoviteira que dá nome à tragicomédia…

…e o astronauta?

Se não encontrar rã, astronauta, Celestina, certeza, você verá muitos ninhos de cegonha pelos edifícios, são grandes assim como as donas.

Se gincana não apetece, atravesse a ponte Romana para ver a cidade do outro lado do rio Tormes, belas fotos e belo cartão postal da cidade, quem sabe entrar na biblioteca da antiga escula da Universidade de Salamanca (a fachada da rã) e conhecer El Cielo de Salamanca, ricamente pintado na abóboda e para que o encanto da Casa de Las Conchas não termine, conhecer a biblioteca em seu interior vale a pena.

Apaixonou-se por Salamanca? Então fique um pouco mais, aproveitar a província salmantina é tentador. Existem vários pueblos (=povoados) simpáticos e com atrativos legais, entre eles, vinícolas. Não faltam castelos, por exemplo, a famosa família de Alba possui um em Alba de Torres, a muralha e o castelo medieval de Los Duques de Bejar em Bejar, o Castillo de Ledesma em Ledesma e o Castelo de San Felices de los Gallegos, tudo muito perto de Salamanca. Espanha profunda!

Os pueblos, suas arquiteturas e moradores são tão diferenciados que um Pueblo a trinta minutos do centro de Salamanca, chamado Morille, possui um Cemitério de Artes, sim leitores, um cemitério de artes. 

Quando se cansar de tanta comida boa entre os passeios, de parar para provar vinhos nas vinícolas salmantinas entre pueblos, volte para Salamanca, compre uma passagem de barco para Portugal e se mande para outra aventura, igualmente bela.

Onde se hospedar em Salamanca? Por ser uma cidade tão plural oferece diferentes tipos de hospedagens para todos os estilos de viajante, do mochileiro ao de luxo: confira aqui as opções e faça sua reserva.

Como chegar? Além das opções convencionais, você pode optar em ir com transporte alternativo como o Blá Blá Car, que é um sistema de caronas compartilhadas. Por ser uma cidade universitária esse tipo de mobilidade é muito utilizado por estudantes, pessoas locais e turistas.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.